Exibição da garça-branca-grande (Ardea alba)

(por: Glayson Ariel Bencke)

Muitas aves utilizam exibições estereotipadas (displays) para comunicação com parceiros ou potenciais parceiros. Em geral, quanto mais complexas as interações sociais e quanto menos elaborada a comunicação sonora em uma espécie, mais desenvolvida a sua comunicação visual por meio de exibições ritualizadas.

Garças se comunicam principalmente por meio de exibições estereotipadas e cada display tem a função de transmitir uma mensagem específica e inequívoca. Embora as diferentes espécies de garças tenham repertórios comportamentais próprios, alguns displays são comuns a várias delas. O mais típico é o "alongamento" (stretch display), realizado durante o período de acasalamento e reprodução por várias espécies. Ainda que algumas garças realizem o alongamento em diversas situações, a garça-branca-grande o utiliza em um só contexto comportamental: é uma exibição de anúncio dos machos não pareados que parece funcionar principalmente para atrair parceiras, proclamando tanto a disposição para acasalar como a posse de um território (normalmente o local onde será construído o ninho dentro de uma colônia reprodutiva). A manobra completa dura pouco mais de dois segundos (ver vídeo abaixo), mas é repetida por um mesmo indivíduo dezenas ou centenas de vezes ao longo do dia.

As exibições das aves frequentemente são complementadas por sinais visuais, como marcas e adornos na plumagem, ou por vocalizações. Nas garças, o display de alongamento tem seu efeito acentuado pelas penas egretas, que são abertas em leque ao redor do corpo enquanto as aves se exibem, e pela coloração brilhante do loro (área de pele nua entre o bico e os olhos). As egretas são penas de adorno especializadas que se desenvolvem sobre o dorso das garças no período reprodutivo, formando uma espécie de véu (ver foto), o qual desaparece após a reprodução (ver foto). Assim como as egretas, a coloração intensa do loro – verde brilhante, quase fosforescente, na garça-branca-grande (ver foto) – também é temporária. À medida que o período reprodutivo avança, a cor desbota e passa ao amarelo-esverdeado (ver foto).

 


Garça-branca-grande no ninho, com seu véu de egretas, Parque Mascarenhas de Moraes, Porto Alegre, outubro de 2010 (G. A. Bencke)

 


Adulto no período de descanso reprodutivo, sem as egretas e com o loro amarelo-esverdeado, Jardim Botânico de Porto Alegre, junho de 2010 (G. A. Bencke)

 


Macho de garça-branca-grande não pareado, ainda ostentando a cor verde brilhante do loro, S. do Livramento, novembro de 2013 (G. A. Bencke)

 


Adulto em reprodução, junto ao ninho com filhotes, mas já sem a cor verde brilhante no loro, S. do Livramento, novembro de 2013 (G. A. Bencke)

 


Sequência de fotos mostrando a exibição (G. A. Bencke)

 

 

 

Vídeo mostrando a exibição de dois machos no ninhal do Parque Mascarenhas de Moraes, Porto Alegre, outubro de 2013 (Walter Hasenack)