Papagaios em Porto Alegre: nativos ou exóticos?

(por: Glayson Ariel Bencke)

Bandos de papagaios são uma visão frequente em diversos locais da cidade de Porto Alegre, especialmente ao entardecer, quando essas aves se reúnem para dormir. Muitas pessoas pensam que elas fazem parte da fauna nativa do Rio Grande do Sul, por estarem tão bem adaptadas ao ambiente urbano da capital. No entanto, aves da família Psittacidae, a qual inclui araras, papagaios e periquitos, estão entre as mais adaptáveis do mundo quando se trata de viver fora de suas áreas de ocorrência natural.

Assim, há populações naturalizadas da nossa familiar caturrita (Myiopsitta monachus) em grande parte da Flórida e em Nova Iorque, bem como periquitos tropicais de origem afro-asiática vivendo em Londres! Os papagaios que vivem livres em Porto Alegre são da espécie Amazona aestiva (papagaio-verdadeiro), que habita o interior da América do Sul, do Nordeste do Brasil à Bolívia, Paraguai e norte da Argentina. Embora haja suspeitas de que essa espécie possa ocorrer naturalmente no noroeste do estado, não há, até o momento, confirmação de que o papagaio-verdadeiro seja uma ave de ocorrência espontânea no Rio Grande do Sul. A população da capital é oriunda de escapes ou solturas de aves nascidas em cativeiro ou trazidas de outras regiões via tráfico de fauna silvestre e está estabelecida há cerca de 20 anos na cidade. Não há uma estimativa do número de indivíduos que vivem em Porto Alegre, mas bandos de mais de 20 indivíduos não são raros. De qualquer modo, trata-se de uma invasão biológica, ou seja, do estabelecimento de uma espécie em uma região onde ela não ocorre naturalmente, fenômeno que, em diversas partes do mundo, tem causado prejuízos às espécies e ecossistemas nativos.

 


Foto: Osmar Sehn

 


Foto: Marcelo F. Medaglia

 

 


Foto: Osmar Sehn

 


Foto: Paulo Rodrigues (Ave Missões)