Relato da reunião do dia 27 de outubro de 2012, no Jardim Botânico

 

A pauta, enviada a todos na terça-feira, dia 23, era a seguinte:

1) Início da reunião às 8:00 horas com observação no JB
2) Encontro na sala às 9:00 horas
3) Resumos das observações 9:00/9:15
4) Primeiro desafio 9:15/9:30
5) Apresentação da proposta de reestruturação e aprovação pelos presentes 9:30/9:45
5) Apresentação do relatório da saída ao Turvo elaborado por Glayson Bencke 9:45/10:00
6) Relato da saída ao Turvo por Osmar Sehn 10:00/10:30
7) Palestra sobre guias de identificação com Glayson Bencke 10:30/11:00
8) Revelação do primeiro desafio 11:00/11:15

Em uma manhã nublada mas clara e quente, participaram 8 pessoas da observação no Jardim Botânico, iniciada pontualmente às 8h. Registramos 34 espécies em uma hora! Muito lindo um ninho de alegrinho (em forma de potinho coberto por líquens) já com dois filhotes emplumados mas ainda com penugem na cabeça, sendo alimentados pelos pais. Também muito legal um joão-de-barro ainda filhotão, caminhando pelo chão e recebendo alimento dos pais. E um primeiro registro para o Jardim Botânico de um nei-nei, aquele sósia do bem-te-vi, pousado ao lado do lago; não vocalizou mas uma foto estratégica da Helena mostrou que a faixa branca na cabeça não é unida na parte posterior, diferente do bem-te-vi. Beija-flor-dourado, beija-flor-de-fronte-violeta, savacu, socozinho, foram outras aves que nos chamaram a atenção.

A reunião então iniciou às 9h com 15 pessoas presentes. Walter iniciou os trabalhos falando que toda a reunião iniciará com observação (e que ambos podem eventualmente serem realizados em algum outro local de interesse) e após será feito um relato, passando a assuntos gerais.
Em seguida o Glayson fez um relato breve da saída recém realizada e apresentou o desafio, idéia surgida durante a saída ao Turvo. O desafio é basicamente a identificação de uma ave que tenha gerado dúvidas durante a saída, estimulando a nossa curiosidade e espírito investigativo, além de que, deste modo, o aprendizado vai ser muito mais efetivo do que se simplesmente nos fosse informada a espécie e pronto! O ponto de partida foi um gavião "misterioso", visto rapidamente por muitos e fotografado em voo pelo Walter no Turvo, e que gerou alguns palpites...Haverá  um desafio a cada reunião.

Walter então falou sobre o Plano de estruturação Administrativa, cuja base da organização será:
-trabalho compartilhado;
-atividades programadas;
-popularização das atividades;
-atividades para níveis variados;
-formação de núcleos dentro do clube.

Foram apresentadas sugestões de atividades programadas e possíveis datas para as reuniões do próximo ano. Também listou necessidades urgentes:
-definição do logo (vai para votação em seguida)
-site (já nos foi mostrado o trabalho que está sendo desenvolvido pelo Fábio)
-definição dos objetivos do clube (em andamento)
-designar pessoas para as diferentes atividades (em andamento)
-comunicação rápida e objetiva
-antecipação de ações para cumprir o calendário proposto.

Glayson fez um relato da saída ao PE do Turvo, onde foram registradas 185 espécies. Foi mostrado um modelo de relatório, onde não só é feita apenas uma lista das espécies mas também uma pequena descrição do momento em que cada ave foi observada, assim fazendo com que a memória das nossas saídas fique muito mais rica e útil, inclusive para os administradores das áreas de preservação. Em seguida, falou sobre guias de observação de aves para as espécies do RS ou que as incluam, dando dicas muito interessantes. A lista será disponibilizada aos membros do grupo.

Por fim, a revelação do desafio!
A partir da foto do Walter (que mostrava um gavião grande, claramente um jovem) e da observação no local, o pessoal tinha dois palpites: gavião-preto ou gavião-caboclo. Glayson nos mostrou várias fotos dessas aves em plumagem juvenil, destacando a dificuldade de identificação e os pontos da plumagem que devemos reparar ao ver uma ave dessas, e ainda trouxe animais taxidermizados para comparação. Chegou à conclusão que era mesmo um imaturo de gavião-preto, ainda mais que o ambiente onde foi  visto é o escolhido pela espécie!

Por  fim, acordamos  que discutiremos detalhes e combinações de logística para as saídas somente a partir do Fórum, não mais nas reuniões.

 

 

Aves observadas na saída de campo da reunião do COA–POA

de 27 de outubro de 2012

 

Local: Jardim Botânico de Porto Alegre

Data e horário: 27/10/2012, das 8 às 9h

Condições do tempo: Encoberto, temperatura elevada, sem vento

Número de participantes: 8

Total de espécies registradas: 34

Sequência sistemática e nomes científicos e em português conforme Bencke et al. (2010)[1]

 

Lista das espécies:

 

Nome científico

Nome em português

Ortalis guttata (Spix, 1825)

aracuã

Nycticorax nycticorax (Linnaeus, 1758)

savacu

Butorides striata (Linnaeus, 1758)

socozinho

Phimosus infuscatus (Lichtenstein, 1823)

maçarico-de-cara-pelada

Aramides cajanea (Statius Muller, 1776)

três-potes

Aramides saracura (Spix, 1825)

saracura-do-mato

Zenaida auriculata (Des Murs, 1847)

pomba-de-bando

Leptotila verreauxi Bonaparte, 1855

juriti-pupu

Brotogeris chiriri (Vieillot, 1818)

periquito-de-encontro-amarelo

Thalurania glaucopis (Gmelin, 1788)

beija-flor-de-fronte-violeta

Hylocharis chrysura (Shaw, 1812)

beija-flor-dourado

Furnarius rufus (Gmelin, 1788)

joão-de-barro

Camptostoma obsoletum (Temminck, 1824)

risadinha

Elaenia parvirostris Pelzeln, 1868

guaracava-de-bico-curto

Serpophaga subcristata (Vieillot, 1817)

alegrinho

Pitangus sulphuratus (Linnaeus, 1766)

bem-te-vi

Myiodynastes maculatus (Statius Muller, 1776)

bem-te-vi-rajado

Megarynchus pitangua (Linnaeus, 1766)

neinei

Tyrannus melancholicus Vieillot, 1819

suiriri

Empidonomus varius (Vieillot, 1818)

peitica

Cyclarhis gujanensis (Gmelin, 1789)

gente-de-fora-vem ou pitiguari

Troglodytes musculus Naumann, 1823

corruíra

Turdus rufiventris Vieillot, 1818

sabiá-laranjeira

Turdus leucomelas Vieillot, 1818

sabiá-barranco

Turdus amaurochalinus Cabanis, 1850

sabiá-poca

Coereba flaveola (Linnaeus, 1758)

cambacica

Saltator similis d'Orbigny & Lafresnaye, 1837

trinca-ferro-verdadeiro

Tangara sayaca (Linnaeus, 1766)

sanhaçu-cinzento

Pipraeidea bonariensis (Gmelin, 1789)

sanhaçu-papa-laranja

Zonotrichia capensis (Statius Muller, 1776)

tico-tico

Basileuterus culicivorus (Deppe, 1830)

pula-pula

Agelaioides badius (Vieillot, 1819)

asa-de-telha

Molothrus bonariensis (Gmelin, 1789)

vira-bosta

Passer domesticus (Linnaeus, 1758)

pardal

 



[1] Bencke, G.A.; Dias, R.A.. Bugoni, L.; Agne, C.E.; Fontana, C.S.; Maurício, G.N. e Machado, D. 2010. Revisão e atualização da lista das aves do Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, sér. Zool., 100(4):519–556.

 

Anexo fotográfico (Fotos: Helena Backes)