Iniciamos a manhã às 8h com a costumeira caminhada para observação de aves no Jardim Botânico. Foram observadas 24 espécies. As condições para observação estavam muito boas, tendo sido registrados com mais destaque um casal de jaçanãs com filhotes, beija-flores dourados, uma saracura do mato que simplesmente posou para fotos, e o barulhento mas pouco visto joão-teneném.

Retornando à sala de reuniões, o Presidente Gilberto Müller abriu a sessão dando boas-vindas a todos. Alguns sócios novos se apresentaram aos demais colegas do Clube.

Eduardo Chiarani, Diretor Técnico-Científico do COA-POA, relatou as espécies observadas durante a caminhada pela manhã.

A seguir, Antônio Brum, Vice-Presidente , apresentou o relatório da saída realizada em 17 de janeiro na Estação Experimental Agronômica da UFRGS, onde o grupo de 16 associados registrou 79 espécies, um recorde em relação às visitas anteriores. Enfatizamos a presença e registro de um grupo de 20 indivíduos da espécie veste-amarela (Xanthopsar flavus).

Seguiu-se a apresentação da recente saída à Floresta Nacional de São Francisco de Paula, de 6 a 9 de fevereiro, feita pelo colega Roberto Dall’Agnol, Diretor Administrativo-Financeiro. Nessa saída, foram observadas 132 espécies, sendo uma, o beija-flor estrelinha (Calliphlox amethystina), adicionada pela primeira vez à lista de aves observadas na FLONA.

Após um breve intervalo, a Diretoria anterior apresentou sua prestação de contas e de atividades relevantes realizadas no seu período de gestão. Osmar Sehn apresentou o balanço simplificado das despesas e receitas que, até o final do ano de 2015, geraram um caixa extremamente positivo para o Clube. Glayson Bencke relatou sobre as atividades técnicas extremamente exitosas em 2015, com o maior número de espécies observadas em um ano e com a realização de todas as saídas previstas (11), segundo ele nos quatro cantos do Rio Grande.

Depois nosso ex-presidente Walter Hasenack relatou as principais realizações e atividades desenvolvidas pelo Clube, entre elas as comemorações do Dia das Aves, as Oficinas e Cursos de Fotografia, entre tantas outras. Grande destaque para o apoio técnico e material (miniguia, folhetos, cartazes) que foi dado pelo COA-POA para implantar o primeiro observatório de aves no RS, no Parque Tupancy, na cidade de Arroio do Sal.

Depois do sorteio de alguns brindes aos associados presentes, Gilberto Müller iniciou apresentação do Plano de Ações desenvolvido pela atual Diretoria. As sugestões podem ser vistas no nosso fórum http://coapoa.forumtupi.com/f12-sugestoes. Para colaborar, basta manifestar seu interesse em algum dos projetos relacionados no site do fórum em http://coapoa.forumtupi.com/f12-sugestoes.

Foi comentada uma possível saída para observação de aves pelágicas em Rio Grande em junho/julho, em conjunto com outros grupos de observadores de aves e a FURG. Antônio Brum fará um primeiro contato com pessoas que ele conhece na FURG.

A reunião foi pelo Presidente às 11h45min.

Documentos e relatórios

Numa manhã linda de sol, já antes das 8h começamos bem a observação de aves: o mocho-diabo, que frequenta o Jardim Botânico há pelo menos três meses, estava lá, na sua palmeira de sempre, maravilhando a todos os presentes e rendendo ótimas fotografias...

A observação contou com 15 participantes e foram registradas 44 espécies. Destacamos o ninho de maçarico-de-cara-pelada com quatro filhotes sendo alimentados por um dos pais e um grupinho de três alma-de-gato-verdadeiras, sendo que uma delas tinha apenas uma das penas da cauda.

Pouco depois das 9 h o grupo dirigiu-se para a escolinha onde iniciamos a reunião com 21 participantes. Após alguns comentários sobre a observação da manhã, Walter nos chamou a atenção para uma participante, porto-alegrense mas residente na Inglaterra, que se juntou a nós durante o percurso pelo Jardim Botânico. Adriana participa de um clube de observadores de aves por lá e nos contou um pouco da sua experiência e como essa atividade acontece no grupo da qual ela faz parte. Foi muito interessante ouvirmos dela que está surpresa com a boa organização do COA-POA.

Na sequência Walter fez um breve relato da saída a Aratinga e Mata Paludosa, inclusive nos mostrando fotos do site do COA-POA, de autoria de Marcelo Medaglia.

Seguindo a pauta, os associados Osmar e Marisa relataram, com muitas fotos e interessantes informações, suas visitas, em épocas distintas, ao Pantanal de Mato-Grosso.

O associado Jair Kray prosseguiu relatando e também nos brindando com muitas fotos, suas observações de aves no estado de São Paulo, na Trilha dos Tucanos em Tapiraí, no Parque Estadual de Intervales e ao redor da cidade de Americana.

Após um pequeno intervalo, Walter Hasenack, secretariado por Maria do Carmo Both, presidiu a assembleia de eleição da nova diretoria. A chapa única foi eleita por aclamação e é a seguinte:

Presidente - Gilberto Sander Müller
Vice-presidente - Antônio Coimbra de Brum
Diretor técnico-científico - Eduardo Chiarani
Diretor de relações institucionais - Maria do Carmo Both
Diretor administrativo-financeiro - Roberto Luiz Dall Agnol
Diretor de tecnologia - Fábio Sidiomar Zamperetti Duarte

Conselho fiscal:
Titulares - Marcelo Meller Alievi, Marco Aurélio Antunes e Jair Gilberto Kray
Suplentes - Glayson Ariel Bencke, Marcelo Frasca Medaglia e Walter Hasenack

Seguindo a pauta, os associados Jorge Correa Neto e Marcelo Alievi nos contaram (e mostraram!) sobre sua ida à Amazônia, no mês de setembro onde por 8 dias registraram mais de 200 espécies de aves. Foi interessante ouvir deles, como um ex-associado do COA-POA se tornou, em pouco tempo, um dos bons guias de observação de aves da Amazônia.

Walter encerrou a reunião por volta do meio-dia, lembrando que dia 6 de dezembro teremos nossa confraternização de fim de ano.

Foto: Maria do Carmo Both

 

 

Foto: Maria do Carmo Both 

 

 

Foto: Maria do Carmo Both 

 

 

Aves observadas na saída de campo da reunião do COA–POA

de 21 de novembro de 2015

Local: Jardim Botânico de Porto Alegre

Data e horário: 21/11/2015, das 8h às 9h

Condições do tempo: Claro, temperatura amena

Número de participantes: 15

Total de espécies registradas: 44

1. Phimosus infuscatus  maçarico-de-cara-pelada

2. Butorides striata  socozinho

3. Vanellus chilensis  quero-quero

4. Jacana jacana   jaçanã

5. Ardea alba  garça-branca-grande

6. Aramides saracura  saracura-do-mato

7. Aramides cajanea  três-potes

8. Pardirallus nigricans  saracura-sanã

9. Patagioenas picazuro  pombão

10. Zenaida auriculata  pomba-de-bando

11. Leptotila verreauxi  juriti-pupu

12. Asio stygius  mocho-diabo

13. Coragyps atratus  urubu-de-cabeça-preta

14. Brotogeris chiriri  periquito-de-encontro-amarelo

15. Colaptes melanochloros  pica-pau-verde-barrado

16. Colaptes campestris  pica-pau-do-campo

17. Piaya cayana alma-de-gato

18. Crotophaga ani  anu-preto

19. Hylocharis chrysura beija-flor-dourado

20. Chlorostilbon lucidus  besourinho-de-bico-vermelho

21. Chaetura meridionalis  andorinhão-do-temporal)

22. Pygochelidon cyanoleuca  andorinha-pequena-de-casa

23. Cranioleuca obsoleta  arredio-oliváceo

24. Furnarius rufus  joão-de-barro

25. Camptostoma obsoletum  risadinha

26.  Pitangus sulphuratus  bem-te-vi

27. Myiodynastes maculatus  bem-te-vi-rajado

28. Cyclarhis gujanensis  gente-de-fora-vem ou pitiguari

29. Elaenia parvirostris  guaracava-de-bico-curto

30. Empidonomus varius  peitica

31. Tyrannus melancholicus  suiriri

32. Molothrus bonariensis  vira-bosta

33. Troglodytes musculus  corruíra

34. Turdus rufiventris  sabiá-laranjeira

35. Turdus leucomelas  sabiá-barranco

36. Turdus amaurochalinus  sabiá-poca

37.  Coereba flaveola  cambacica

38.  Poospiza nigrorufa quem-te-vestiu

39. Poospiza cabanisi quete

40. Zonotrichia capensis  tico-tico

41. Tangara sayaca  sanhaçu-cinzento

42. Basileuterus culicivorus pula-pula

43. Setophaga pitiayumi  mariquita

44. Synallaxis spixi  joão-teneném 

Com tempo bom e com a presença de 11 pessoas, iniciaram-se as atividades de observação na manhã do dia 24 de outubro. A primavera não decepcionou e dessa vez, em apenas uma hora, foram observadas 43 espécies de aves no Jardim Botânico, cuja lista está no final desse relatório. Esse número é o maior já registrado nas breves observações realizadas antes das reuniões do COA-POA. 

À medida que o tempo passou, mais pessoas foram chegando e a reunião iniciou um pouco depois das 9 horas, com a presença de 21 pessoas, que ouviram alguns comentários do Glayson sobre as observações da manhã, bem como a respeito da última saída a campo, no Parque Estadual do Turvo, na qual foram observadas 197 espécies de aves (número ainda sujeito a confirmação). 

Marco Aurélio Antunes foi o primeiro palestrante da manhã e apresentou um belo relato de uma viagem que realizou à cidade de Toronto no Canadá. Citou e relatou as principais características de vários parques que visitou na cidade e no seu entorno e mostrou imagens das aves que fotografou em cada um deles. Além das fotografias, ainda ilustrou a sua palestra com a reprodução das vozes da muitas das aves fotografadas, uma apresentação elaborada com muito esmero para os associados do COA-POA. 

Jair Kray, que faria o próximo relato, não pode estar presente por motivos de doença na família e assim passamos diretamente ao próximo item da pauta da reunião. Rosane Vera Marques contou, com muita emoção, detalhes da primeira vez em que ela e o seu marido Fernando viram um puma na Flona de S. F. de Paula. Eles trabalham há mais de 15 anos na área e, embora já tenham fotografado a espécie várias vezes nas armadilhas fotográficas, nunca haviam visto o felino ao vivo. Quem conhece a Rosane bem pode imaginar como ela conseguiu contagiar os presentes com a emoção que ela e o Fernando sentiram na avistagem. 

Após um rápido intervalo, teve início a interessantíssima palestra com o título História Natural da População Brasileira de Cardeal-amarelo, que foi apresentada pelo biólogo e mestrando Christian Beier. Em duas temporadas reprodutivas ele acompanhou as atividades de nidificação dos poucos exemplares dessa belíssima ave que exitem no Brasil. Estima-se a população mundial em não mais de 2.000 indivíduos, dos quais pouco mais de 1% vivem no Brasil. Relatou dados estatísticos a respeito da reprodução da espécies e de como é baixo o seu sucesso reprodutivo, revelando também as várias causas para isso. O estudo, que é base da dissertação de mestrado que em breve será defendida, foi realizado no Parque Estadual do Espinilho em Barra do Quaraí. Christian realizou viagens de busca da espécie em outras áreas do RS, principalmente na serra-do-sudeste, porém sem sucesso, o que nos leva a pensar que as aves que existem no P. E. do Espinilho são as únicas do Brasil. Ele também aproveitou para levantar algumas hipóteses sobre como a observação amadora de aves pode contribuir positiva e negativamente para a conservação de espécies criticamente ameaçadas, como é o caso do cardeal-amarelo.

 

 

 

Aves observadas na saída de campo da reunião do COA–POA  de 24 de outubro de 2015

 

Local: Jardim Botânico de Porto Alegre

Data e horário: 24/10/2015, das 8:00 às 9:00h

Condições do tempo: Encoberto, sem vento Total de espécies registradas: 43

 

Lista das espécies:

Nome científico

Nome em português

1

Phimosus infuscatus

maçarico-de-cara-pelada

2

Nycticorax nycticorax

savacu

3

Butorides striata

socozinho

4

Vanellus chilensis

quero-quero

5

Jacana jacana

jaçanã

6

Caracara plancus

carcará

7

Milvago chimachima

carrapateiro

8

Aramides saracura

saracura-do-mato

9

Columbina talpacoti

rolinha-roxa

10

Zenaida auriculata

pomba-de-bando

11

Guira guira

anu-branco

12

Piaya cayana

alma-de-gato

13

Leptotila verreauxi

juriti-pupu

14

Brotogeris chiriri

periquito-de-asa-amarela

15

Chaetura meridionalis

andorinhão-do-temporal

16

Thamnophilus caerulescens

choca-da-mata

17

Furnarius rufus

joão-de-barro

18

Cranioleuca obsoleta

arredio-oliváceo

19

Camptostoma obsoletum

risadinha

20

Elaenia parvirostris

guaracava-de-bico-curto

21

Phylloscartes ventralis

borboletinha-do-mato

22

Poecilotriccus plumbeiceps

tororó

23

Pitangus sulphuratus

bem-te-vi

24

Tyrannus melancholicus

suiriri

25

Myiarchus swainsoni

irré

26

Empidonomus varius

peitica

27

Cyclarhis gujanensis

gente-de-fora-vem ou pitiguari

28

Pygochelidon cyanoleuca

andorinha-pequena-de-casa

29

Troglodytes musculus

corruíra

30

Turdus rufiventris

sabiá-laranjeira

31

Turdus leucomelas

sabiá-barranco

32

Turdus amaurochalinus

sabiá-poca

33

Troglodytes musculus

corruíra

34

Coereba flaveola

cambacica

35

Tangara sayaca

sanhaçu-cinzento

36

Pipraeidea bonariensis

sanhaçu-papa-laranja

37

Zonotrichia capensis

tico-tico

38

Molothrus bonariensis

vira-bosta

39

Icterus cayennensis

encontro

40

Cyclarhis gujanensis

pitiguari

41

Basileuterus culicivorus

pula-pula

42

Basileuterus leucoblepharus

pula-pula-assobiador

43

Passer domesticus

pardal

 

 Oficina do COA-POA foi um sucesso 

A 5ª edição da Oficina de Iniciação à Observação de Aves, realizada no sábado, dia 26 de setembro, no Jardim Botânico, recebeu muitos elogios dos participantes. 

Os trabalhos iniciaram às 8 h, com a recepção dos 16 alunos, que por volta das 8:30 h receberam as primeiras orientações de como regular os seus binóculos, para então iniciarem a parte prática da oficina. Com o acompanhamento de cinco monitores do COA-POA, os alunos dedicaram duas horas às observações, durante as quais puderam ter contato com 35 espécies de aves. Apesar do tempo nublado e um pouco frio, as aves estavam bem ativas, com atitudes típicas da estação primaveril, o que encantou os participantes.

 


Foto: Walter Hasenack

 

O módulo teórico foi iniciado às 10:30 h, com as boas vindas dadas pelo presidente do COA-POA, seguindo-se as palestras dos biólogos Eduardo Chiarani e Glayson Bencke, que detalharam as principais características que diferenciam as aves de outros animais, bem como um detalhado panorama de 29 grupos de aves que tornam o Rio Grande do Sul um estado tão especial para a observação de aves. Mesmo com menos de três por cento do território nacional, o RS abriga um terço de toda a avifauna brasileira.

Após uma pausa para o almoço, os trabalhos foram retomados com um rápido giro para novas observações de aves no Jardim Botânico. O ponto alto foi a presença de um filhote de cambacica recém-saído do ninho. Ao realizar os seus primeiro voos, ainda desajeitados, chegou a pousar no colo de uma aluna da oficina! 

Seguiram-se as palestras de Maria do Carmo Both e Walter Hasenack, que falaram sobre onde, quando e como podemos observar aves e de como registrar as observações.

Eduardo Chiarani retomou a palavra para falar sobre o tema da identificação das espécies, ou seja, sobre como reconhecer e dar nomes às aves observadas, chamando a atenção dos participantes para os pequenos detalhes que podem fazer a diferença nessa hora.

O biólogo César Santos encerrou os temas teóricos e, sentado ao computador, demontrou na prática os principais recursos eletrônicos disponíveis para o observador de aves, como o Wikiaves, Xeno-canto, a página do COA-POA e listas de aves do RS e Brasil.

A oficina encerrou com a entrega dos certificados e de um pôster com imagens de aves da região da Lagoa do Peixe a cada participante. Diversos alunos agradeceram a iniciativa do COA-POA e manifestaram a sua satisfação com a oficina.

 

 

 

 

Relato

Como de costume, iniciamos as atividades com a observação de aves no Jardim Botânico, que transcorreu com céu claro e condições favoráveis. Participaram cerca de 15 associados e 32 espécies foram observadas. Não houve destaques, mas o registro auditivo de um filipe, possivelmente recém-chegado da migração de inverno, e um pombão construindo ninho junto ao prédio principal da Fundação Zoobotânica foram as observações mais relevantes. 

A reunião, com 22 participantes, iniciou com a apresentação de quatro novos integrantes do clube presentes na reunião. Em seguida, passou-se para os relatos sobre as duas últimas saídas de campo do COA-POA, que tiveram como destinos a Estação Experimental Agronômica da UFRGS, em Eldorado do Sul, e o Banhado dos Pachecos, em Viamão. Lígia de Godoy Rodrigues iniciou as apresentações, mostrando fotos tiradas por ela e por Márcio de G. Rodrigues na saída à EEA da UFRGS, em 16 de agosto, com destaque para o veste-amarela e a maria-preta-de-penacho. Em seguida, Inês Vasconcellos e Cássio P. da Silva complementaram o relato, exibindo fotos de algumas espécies não ilustradas na apresentação anterior, como a noivinha e o mergulhão-grande, além de belas fotos de um bando em voo de veste-amarela. 

Na sequência, Roberto Dall’Agnol discorreu sobre as trilhas e ambientes percorridos no Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos, em 12 de julho, e sobre os resultados ornitológicos da saída: 81 espécies observadas. Destacou o registro de um casal de gaviões-de-rabo-branco exatamente no mesmo ponto e na mesma situação em que a espécie havia sido fotografada pelo COA em 2013, revelando a estabilidade da área. Outro destaque foi o primeiro registro do andorinhão ou taperuçu-de-coleira-falha no Refúgio, registro esse que manteve a “tradição” do clube de acrescentar novas espécies à lista de aves do local a cada visita. Também salientou a recente instalação de placas de sinalização e do pórtico de entrada do Refúgio. 

Após tivemos dois relatos de observações de associados do clube. Gilberto S. Müller apresentou novos registros fotográficos de maçaricos-de-papo-vermelho marcados com bandeirolas na costa do Rio Grande do Sul. Os registros são reportados por ele por meio do site bandedbirds.org e contribuem para o estudo da migração da espécie. Gilberto mostrou que alguns indivíduos vêm sendo acompanhados dessa forma há mais de sete anos e que uma das aves fotografadas por ele fez o trajeto entre a costa do RS e a baía de Delaware, nos Estados Unidos, em menos de 15 dias! 

Antes da palestra principal do dia, tivemos ainda o relato de Marcelo M. Alievi sobre o seu registro inusitado do peixe-frito-pavonino em Santa Cruz do Sul, região onde a ocorrência da espécie não era esperada. Marcelo falou um pouco sobre o local – o Parque da Gruta, uma área verde preservada dentro da zona urbana de Santa Cruz do Sul – e mostrou algumas espécies fotografadas por ele no parque. Por fim, contou aos presentes como aconteceram os seus registros do peixe-frito-pavonino na área e apresentou fotos e gravações do canto da espécie. 

Após um breve intervalo, o associado Eduardo Chiarani brindou a todos com uma excelente palestra sobre o seu estudo da biologia reprodutiva do canário-do-brejo na região dos Campos de Cima da Serra, tema de sua dissertação de Mestrado. Eduardo falou sobre a importância de se estudar a biologia reprodutiva das aves, sobre as perguntas que nortearam o seu estudo, sobre os métodos que adotou e sobre as dificuldades que enfrentou durante o estudo, incluindo um encontro com uma enorme cruzeira. Muito interessante foi o seu relato sobre a dificuldade de encontrar os primeiros ninhos da espécie no início do estudo e de como aprendeu, com o tempo, a localizá-los com maior facilidade a partir da observação do comportamento das aves. Impressionantes as imagens de filhotes tomados por larvas de bernes, e que mesmo assim sobreviveram... Enfim, foi mais um interessantíssimo exemplo de um estudo minucioso, feito por um dedicado e competente ornitólogo de campo, que contribui para o conhecimento e a conservação de uma espécie da nossa avifauna campestre. 

A seguir, o presidente Walter Hasenack fez um breve apanhado sobre as ações realizadas pelo COA em apoio à Fundação Zoobotânica e contra o projeto de lei do Governo que propõe a extinção desse importante órgão ambiental do RS e a demissão de todos os seus funcionários. Relatou alguns detalhes das três vezes em que esteve na Assembleia (em duas visitas acompanhado por Osmar Sehn e em uma por Maria do Carmo Both), e de como os 12 deputados estaduais visitados se posicionaram frente ao PL 300. Convidou todos os associados que continuem ativos na luta contra a extinção da FZB, através de e-mails enviados aos deputados, presença em eventos de apoio à FZB, redes sociais etc. 

Walter lembrou ainda que em novembro haverá eleição de nova diretoria do COA-POA e que as chapas já podem ser formadas. Por fim comentou que foram iniciadas tratativas com o Instituto Curicaca, para uma possível colaboração com o COA-POA. Não entrou em maiores detalhes, porque ainda se trata de uma conversa inicial, que para prosseguir depende de um parecer favorável da coordenação do Instituto Curicaca. Caso as tratativas prossigam, qualquer decisão final a respeito será submetida à Assembleia Geral do COA-POA. 

Desejando um bom final de semana, o presidente encerrou a reunião, com o convite para que todos participem das próximas atividades, anunciadas na página do COA-POA na internet.

Documentos

Fotos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Relato

Depois de várias reuniões com céu nublado, tivemos a sorte de fazer a observação de aves no Jardim Botânico em um dia ensolarado e relativamente quente. Guiados pelo Glayson Bencke, 12 associados participaram da atividade, que ocorreu das 8 às 9 horas e iniciou com a procura de uma coruja-orelhuda que havia sido observada recentemente no mato perto da sede administrativa da FZB-RS, no lado norte. A coruja não foi localizada, ficando então o ponto alto da observação com uma fêmea de martim-pescador-pequeno, visualizada no lago mais próximo da sede.

Helena Backes abriu a reunião apresentando a pauta do dia, pedindo aos novos associados presentes que se apresentassem e relembrando que o COA-POA decidiu subsidiar o valor do estacionamento da FZB para os associados nos dias de reunião. Também mencionou a existência da biblioteca do COA-POA, enriquecida pelos exemplares da revista Atualidades Ornitológicas, que foi recentemente assinada. Conversou-se sobre a criação de uma forma de circular os livros e revistas entre os associados, usando o site ou email para isso. Ficou combinado que a diretoria irá definir um processo e informar aos associados.

Como uma das revistas recebidas continha a publicação do artigo produzido por alguns dos associados sobre o primeiro registro de Picumnus cirratus (pica-pau-anão-barrado) no Rio Grande do Sul, o artigo foi mostrado e as revistas circularam entre os presentes.

Também foi novamente informado que todos os sócios do COA que pagarem a anuidade de 2015 receberão gratuitamente o cartaz das aves da Lagoa do Peixe com fotografias de Paulo Fenalti, produzido dentro do Projeto RS-Biodiversidade e ofertado ao COA pela FZB.

Na sequência, o sócio Kleber Pinto apresentou o resumo das observações do dia, informando o número de aves observadas, 23, e comentando que era menor do que em outras observações efetuadas no mesmo local, devido principalmente à época do ano.

Seguindo a pauta definida para o dia, o Glayson fez um breve relato da saída ao Parque Estadual de Espigão Alto, mostrando imagens feitas pelos associados e comentando que a segunda visita do COA-POA ao Parque rendeu excelentes observações, repetindo o feito do ano anterior de incluir uma nova espécie para a unidade de conservação, a jaçanã. Informou também que foram registradas 128 espécies, das quais 100 no interior do parque.

O sócio Marco Aurélio Antunes tomou a palavra na sequência, apresentando seu relato de associado, que teve como tema A Fauna da Península Valdés, visitada por ele em outubro de 2014. Foi informado o roteiro da viagem e projetadas imagens das diferentes espécies de aves, mamíferos e répteis observados. Também foi apresentado um quadro com as espécies que ocorrem em cada mês do ano, mostrando que o período de setembro a dezembro é o mais propício para observação da riqueza da fauna local. Marco Aurélio também sugeriu alguns livros para quem quer saber mais sobre a fauna da região ou se preparar para uma viagem para lá.

Foi feito um intervalo e logo após o Glayson fez a apresentação do principal palestrante da reunião, o biólogo Dante Meller, que discorreu sobre o Parque Estadual do Turvo: asas à imaginação. Dante, ex-gestor do parque, falou sobre sua experiência no local, desde o tempo em que era estudante de biologia e iniciou seu trabalho de graduação em 2008 sobre aves de rapina.

O palestrante destacou a importância do Parque, que foi o primeiro a ser criado no estado, em 1947. Com 17.500 hectares é o maior parque estadual, sendo o último remanescente da Mata do Alto Uruguai e refúgio de espécies ameaçadas, como onça-pintada, anta e harpia. Sobre a última, Dante contou seu emocionante encontro com a espécie, que não tinha ocorrência registrada no estado desde 1970. Glayson salientou que os únicos registros atuais de harpia na Mata Atlântica eram no sul da Bahia e Espírito Santo.

O número de espécies registradas no parque ainda está pendente de revisão, mas Dante estima que são em torno de 332, e ele já avistou 300 delas. Além disso, várias espécies de aves, como o cauré, o gavião-de-asa-larga e o macuru, têm seu único registro no estado feito no Parque.

Dante também apresentou um desafio ornitológico para o grupo, com uma lista de aves que provavelmente ocorrem no Parque, que foram vistas ou ouvidas mas não documentadas, gerando bastante expectativa para a saída do COA ao Turvo em outubro desse ano.

Sobre seu período como gestor, falou sobre a importância da educação ambiental, para a qual não pôde dar a atenção que gostaria em função das demandas administrativas e de fiscalização, com a entrada constante de caçadores e pescadores, que realizam as atividades ilegais no Parque muitas vezes ameaçando e até trocando tiros com os guarda-parques.

Enfatizou que a principal ameaça vem das duas barragens previstas para o Rio Uruguai, a de Itapiranga, prevista rio acima, e a de Panambi, rio abaixo. Ambas são grande ameaça para o Parque, que já sofre o impacto da hidrelétrica existente, que ao regular a vazão de água de acordo com as demandas energéticas, aumenta e diminui a altura do rio de forma brusca, alterando as condições do rio para as espécies que ali habitam. Foi mencionado que o COA-POA, em visita ao parque, constatou in loco um dos problemas, que é o aprisionamento de peixes nas pedras quando o nível da água baixa muito rapidamente.

Além do impacto na fauna, a atual barragem também afeta a principal atração turística do Parque, o Salto do Yucumã, que simplesmente não fica visível quando a barragem libera as comportas. Com as novas barragens, esse patrimônio natural iria praticamente desaparecer. Foi comentado que manter um fluxo de visitantes que tenha interesse na natureza, seja no Salto, seja na apreciação da fauna e flora, é uma das maneiras de proteger o Parque e que o COA-POA se propõe a ser mais ativo em ações que ajudem a proteger a riqueza natural do nosso estado.

Foi perguntado como havia sido o processo de saída dele como gestor do Parque e ele informou que foi uma exoneração sumária, que um outro funcionário assumiu interinamente e que há grande preocupação com o pouco interesse da atual administração com esse nosso patrimônio. Glayson mencionou a possibilidade de ser concedido à administração pela iniciativa privada, o que, na sua opinião, não é necessariamente um problema, mas que se não for feito corretamente, com um contrato que regre o uso e proteja o Parque adequadamente, pode haver uma grande risco. Houve um consenso de que o COA-POA deve ficar atento ao assunto para poder se posicionar quando for necessário. Foi aventada, inclusive, a participação do grupo no Conselho Consultivo do Parque, mas a princípio isso não é possível sem a formalização do grupo como uma entidade constituída.

A palestra finalizou com a apresentação de uma excelente foto de um gavião-de-penacho (Spizaetus ornatus) com uma cotia nas garras. Dante contou que fez a foto recentemente, que foi uma grande surpresa para ele ver o gavião levantar voo e pousar numa árvore a mais de 5 metros do solo com um animal com até três vezes o seu peso. Os slides da palestra, incluindo essa foto e de outras espécies encontradas no Parque, foram disponibilizadas pelo palestrante e já estão disponíveis no link abaixo.

Finalizando a reunião, foi feito convite, prontamente aceito, para que Dante se junte a nós durante a visita ao Parque em outubro e divulgado o calendário das próximas atividades, com destaque para a visita ao Parque do Espinilho, de 4 a 7 de junho.

 

Documentos

 

Fotos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Relato

O dia amanheceu muito nublado e todos pensamos que não iria ter a observação de aves no Jardim Botânico. Mas a atividade ocorreu com a participação de 12 associados dotados de binóculos e máquinas fotográficas, guiados pelo Glayson. Em função da alteração da pauta da reunião, a observação se estendeu até as 9h30min.
 
Walter iniciou a reunião com 19 presentes, incluindo a filha de 1 ano do sócio Cesar Santos, Rafaela Santos. Informou inicialmente que, por problemas familiares, Eduardo Chiarani não iria ministar a palestra “Biologia Reprodutiva do Canário-do-brejo (Emberizoides ypiranganus) nos Campos de Altitude do Sul do Brasil”. 
 
Na sequência informou que está em fase de implantação no Jardim Botânico a cobrança de estacionamento (R$ 10,00) e que em princípio este valor será cobrado dos sócios nos dias de reunião COA, mas que estuda-se a possibilidade de que o COA-POA subsidie o valor para favorecer as pessoas que comparecem às reuniões.
 
A sócia Sandra Contreras Rodriguez anunciou que irá defender a sua dissertação de mestrado sobre restauração ecológica: relação aves e plantas. Será no campus do vale da UFRGS, no dia 24 de abril, às 9 horas e convida os associados interessados no assunto. Ela contou que retornará à Colômbia na próxima semana e agradeceu as saídas com o grupo, as reuniões, os bons momentos que passou junto com os associados do COA, bem como as amizades construídas.
 
O sócio Jefferson Silva falou que a revista digital “passarinhando” está disponível para o sistema IOS desde o dia 1 de abril. É uma revista bimestral sobre observação de aves e fotografia que por enquanto está sendo elaborada com fotos e textos de colaboradores, mas que a meta dos orgaizadores da revista é que as matérias e fotos sejam compradas. A revista ainda não está disponível para o sistema android.
 
Walter anunciou que o primeiro módulo do curso de iniciação em fotografia de aves que será ministrado pelo sócio Fábio Duarte ocorrerá no dia 27 de junho. Recomendou o curso também para fotógrafos já iniciados, dado o exelente nível técnico do curso.
 
Walter lembrou que todos os sócios do COA que pagarem a anuidade de 2015 receberão gratuitamente o cartaz as aves da Lagoa do Peixe com fotografias de Paulo Fenalti.
 
Na sequência, Glayson Bencke fez o resumo das observações do dia. Relatou que foram observadas 33 espécies de aves naquela manhã. Disse que nenhuma espécie observada merecia destaque especial e que o ponto alto foi o picapuzinho-verde-carijó.
 
Walter convidou todos os presentes para participarem da próxima saída do COA que será nos dias 1 a 3 de maio no Parque Estadual de Espigão Alto no município de Barracão. Glayson relatou que na saída do ano passado foram avistadas 138 espécies de aves e alguns mamíferos. É uma área de floresta de araucárias muito grandes, misturadas com matas semelhantes às do Turvo. O local é ótimo para a observação de papagaio-de-peito-roxo. Ressaltou que na saída de 2014 foram observadas todas as seis espécies de sabiás existentes no RS. O relatório desta saída está disponvível em http://coapoa.org/index.php/espigao-alto-18-04-14 
 
Walter convidou os presentes para a próxima reunião do COA-POA que será no dia 23 de maio com a palestra do biólogo Dante Meller sobre o Parque Estadual do Turvo. Lembrou que Dante, ex-gestor do parque, avistou recentemente a harpia (Harpya harpija) no parque e que certamente irá contar os detalhes. 
 
Reportagem sobre este avistamento está em  http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2015/03/considerada-rara-maior-aguia-brasileira-e-avistada-em-parque-no-rs.html 
 
César Santos fez o relato da última saída do COA para Morro Reuter e Santa Maria do Herval, onde foram observadas 79 espécies por 10 participantes. Ressaltou a observação do pica-pau-anão-carijó e disse que este foi o primeiro relato desta espécie para a região de Morro Reuter no Wikiaves. Jefferson Silva mostrou algumas de suas excelentes fotos.
 
Após, Jacqueline Poulton e Glayson Bencke relataram a viagem aos Andes e ao Chile que fizeram de carro com a família na 2a quinzena de janeiro de 2015. Com várias fotos, mostraram a linda paisagem da região e algumas das aves observadas, em especial o condor. Interessante foi o relato do Glayson, que por não conhecer a avifauna da região, teve sensações semelhantes aos observadores inciantes, que têm dúvidas até sobre as espécies mais comuns. Sugeriu ainda que, se possível, um dia o COA-POA programe uma viagem internacional para observar condores e outras aves andinas.
 
Walter ratificou o convite para as próximas atividades do COA-POA e encerrou a reunião desejando um bom domingo a todos os presentes.

 

Lista de aves observadas

 

Fotos

 

 

 

Relato

O dia estava nublado, com pouco vento. Glayson Bencke acompanhou o grupo de 10 pessoas na atividade de observação de aves das 8 às 9h. A grande maioria dos observadores estava com máquina fotográfica e aproveitou a oportunidade para registrar o vôo do gavião-miúdo ou gaviãozinho, ponto alto da observações realizadas.

Walter iniciou a reunião às 9h dando boas vindas às 20 pessoas presentes. Aos novos associados explicou como funciona a página do COA-POA. Eles se apresentaram rapidamente: Inês disse que já fotografava aves no Jardim Botânico e Lígia e seu marido foram alunos da oficina de iniciação de observação de aves.

Walter falou do cultivo de boas amizades que ocorre no COA. Lembrou também da possibilidade dos associados do COA ingressarem antecipadamente (7h) no Jardim Botânico em qualquer dia da semana. Reforçou que não há isenção da taxa de ingresso, exceto nos dias de reunião.

Walter avisou que esta primeira reunião do ano será com assembleia e eleição, mas que esta prática será alterada e que a nova eleição será em dezembro, em função do término do ano fiscal, com posse da nova diretoria em janeiro de 2016. A assembleia geral ordinária continuará sendo realizada na primeira reunião do ano vindouro.

Após, Glayson relatou que foram avistadas 18 espécies nas observações do dia e que a avistagem do gavião-miúdo (dois indivíduos) foi o ponto alto.  Foram também feitas boas fotos de um savacu e de dois indivíduos jovens de socozinho.

Em seguida, Glayson fez o relato da saída para FLONA (14 a 17/02/15), onde foram observadas 118 espécies. O relatório completo está disponível em http://www.coapoa.org/index.php/saida-flona-14-02-15

Helena relatou brevemente a saída para a Lagoa do Peixe (14 e 15/03/15). Disse que lá foram observadas em torno de 80 espécies, mas que este número ainda não é o definitivo em função de algumas identificações que precisam ser confirmadas. Ressaltou que a presença e experiência de Andrew Wittaker foi muito importante para a saída. Como registros interessantes, ela listou a observação do trinta-reis-miúdo (identificação feita graças à presença de Andrew) que estava num grande bando de outra espécie de trinta-reis, do maçarico-rasteiro, da batuíra-de-coleira-dupla e de um bando de aproximadamente 300 indivíduos de mergulhão-de-orelha-branca. Comentou que o hotel Estrela do Mar foi muito bom e que ocorreram muitos atolamentos na praia porque a areia estava muito seca. Ela mostrou algumas de suas fotos e disse que assim que o relatório estiver pronto, será disponibilizado no site.

Jair Kray proferiu a palestra "Fotopassarinhando - em busca da excelência nas imagens”. Iniciou a sua fala comparando as saídas oficiais do COA com as saídas não oficiais ou alternativas. Disse que para quem gosta de fotografar, as saídas alternativas têm como vantagem a possibilidade de ficar mais tempo no local ou ir atrás de uma determinada espécie para registrar a ave em um momento especial. Para exemplificar, mostrou várias fotos de uma coruja-buraqueira com diferentes expressões em reação à presença de um cachorro. Mostrou fotos de outras aves, ressaltando os detalhes que considera importantes como a luz, o ambiente e o ajuste da máquina para ressaltar as cores e outros detalhes. Disse que não é a favor da alteração do ambiente e do uso excessivo do play back  para a obtenção de boas fotos e relatou que isso ocorreu no Farol Cristovão Pereira para o registro de um ninho de papa-piri.

Após o intervalo, Walter informou que Fábio Duarte aceitou repetir os dois cursos promovidos pelo núcleo de fotografia durante este ano.

Walter iniciou então oficialmente a assembleia, lendo o edital. Na sequência, foram apresentados:

  • Resumo das atividades do COA-POA em 2014 (apresentado por Walter)

  • Demonstrativo financeiro (relatório elaborado por Osmar e apresentado por Walter)

  • Parecer do Conselho Fiscal a respeito do relatório financeiro (feito por Jair)

  • Relato técnico-científico (apresentado por Glayson)

Helena complementou o relato técnico-científico e ressaltou a importância dos relatórios que o COA envia para as unidades de conservação visitadas que contribui para a conservação e monitoramento da avifauna nestes locais. Walter lembrou que este é um dos objetivos do COA-POA.

Walter agradeceu a diretoria e a todas pessoas e entidades que contribuíram com as atividades realizadas no ano. Glayson fez agradecimentos especiais ao presidente do COA.

Walter encerrou a assembleia lendo a ata e solicitando a assinatura de todos os presentes.

Elisângela perguntou como fazer para participar das saídas de campo sem ter carro e Walter explicou como acessar as saídas no site e se comunicar no forum. Fábio Duarte falou que se alguém tiver qualquer problema em acessar o site deve entrar em contato com ele pelo e-mail fsduarte@gmail.com

Como surpresa final da reunião, Glayson mostrou o recém-lançado cartaz com fotografias de aves da região da lagoa do Peixe, de autoria do associado Paulo Fenalti. Cada pessoa presente à reunião recebeu um exemplar.

Walter encerrou a reunião convidando a todos a participarem da próxima saída do COA-POA para o Morro Reuter e da próxima reunião, cuja pauta em breve estará na página do COA-POA. 

Lista de aves observadas

 

Fotos

 

 

Relatórios anuais do COA-POA

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL

                       O Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (COA-POA) CONVOCA, através do presente edital, todos os associados contribuintes que quitaram a anuidade de 2014 ou de 2015 a participarem da Assembleia Geral, no dia 21 de março de 2015, na Escolinha do Jardim Botânico de Porto Alegre, com a seguinte ordem do dia:

1 - Apreciação dos relatórios de atividades do ano de 2014.

2 - Apreciação do parecer do Conselho Fiscal sobre as contas do COA-POA de 2014

3- Eleição da Diretoria e Conselho Fiscal do COA-POA para o exercício de 2015.

A Assembléia Geral instalar-se-á em primeira convocação às 9:00 horas, com a presença da maioria dos associados e, em segunda convocação, com qualquer número, meia hora depois.

As chapas para eleição de diretoria e conselho fiscal deverão ser inscritas até 5 dias antes da data da Assembleia Geral, através de e-mail enviado ao endereço contato@coapoa.org. Somente poderão participar das chapas os associados que recolheram a anuidade de 2014 ou de 2015.

 

Porto Alegre, 20 de fevereiro de 2015.

___________________________

Walter Hasenack

Presidente - COA-POA

Relato

Tempo bom, com sol porém com algum vento.

Realizamos a observação das 8 às 9h, foram registradas 33 espécies de aves, destacando-se um casal de bico-chato-de-orelha-preta que estava construindo seu ninho tão peculiar, filhotões de maçarico-de-cara-pelada nascidos ali mesmo ao redor do lago do Jardim Botânico, duas aracuãs que ao voarem nos mostraram a beleza da plumagem, e ainda um ninho de besourinho-de-bico-vermelho, construído mas não utilizado.

Logo após as 9h iniciamos a reunião, com 24 presentes. Glayson Bencke falou sobre algumas das espécies registradas e em seguida Walter Hasenack comentou sobre alguns assuntos: nossa confraternização de fim de ano, que desta vez infelizmente não poderá realizar-se no PE de Itapuã, assim alguns locais alternativos foram discutidos, e durante a semana será decidido e divulgado o lugar. Também mencionou a 4ª exposição do varal fotográfico do COA-POA, que fica no 3° andar do Aeroporto Salgado Filho até dia 17 de dezembro.

Outro assunto importante: há mais de um ano (leia tudo aqui http://coapoa.org/index.php/atividades/nucleos-do-coa/facilidades) entregamos um projeto de abrigos de observação para o Parque Tupancy, em Rondinha, e agora o projeto foi aprovado em parte (será construído um dos dois observatórios), e vamos novamente colaborar com sugestões de folders e quem sabe um mini-curso de observação de aves.

Em seguida ainda nos contou um pouco sobre como foi o mini-curso de fotografia de aves ministrado por ele e pelo Fabio Duarte durante o festival de Aves Migratórias em Mostardas nos dias 15 e 16 últimos. Maria do Carmo Both na sequência contou sobre o evento de educação ambiental e exposição do varal fotográfico também no mesmo evento, na praça central de Mostardas.

O relato de associado ficou a cargo do Claudio Duarte, que iniciou no COA através de uma de nossas Oficinas de Observação e agora é um aficcionado pela atividade: mostrou muitas fotos de sua viagem à Argentina, na pinguinera de Punta Tombo, em El Calafate e Ushuaia. A apresentação você pode baixar aqui. Agradecemos a participação!

Durante o intervalo houve um sorteio entre os presentes: dois calendários "Aves Brasileiras" do Edson Endrigo ofertados pelo associado Roberto Dall'Agnol.

Após tivemos nossa palestra principal: "Programa de Conservação do Cervo-do-pantanal no Rio Grande do Sul – PROCERVO"por Alexandre Krob, coordenador técnico do Instituto Curicaca, e André Osório Rosa, gestor do Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos.

Alexandre nos apresentou o Instituto Curicaca e o PROCERVO, que nasceu da necessidade de preservar uma população remanescente (e única no RS) de cervo-do-pantanal, incrivelmente aqui do lado de Porto Alegre, no nosso já conhecido e visitado Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos, em Viamão. É um projeto permanente e interinstitucional com estratégias para evitar a extinção dessa espécie aqui no estado. Mostrou-nos detalhes do local e do trabalho que vem sendo realizado, um deles visando a formação de corredores entre as áreas de banhado. Saiba mais clicando aqui.

Em seguida André, gestor do refúgio desde 2009 nos mostrou imagens da unidade de conservação e muitas fotos e filmes maravilhosos dos cervos e de outros mamíferos de médio e grande porte, capturadas por armadilhas fotográficas. Destacou o número de espécies de aves registradas (225 até o momento) e que este número cresce a cada ida do COA ao local!

Esta foi a última reunião deste ano e em seguida vamos divulgar o calendário de 2015. 

 

Apresentações

  • Apresentação de Cláudio Duarte sobre as aves da Patagônia. Clique aqui para baixar.

 

Fotos

Foto: Marco Aurélio Antunes

 

 

Foto: Walter Hasenack

 

 

 

Foto: Walter Hasenack

 

 

Foto: Walter Hasenack

 

 

Foto: Walter Hasenack

 

 

Foto: Walter Hasenack

 

 

Foto: Walter Hasenack

 

 

Foto: Walter Hasenack

Relato

Para baixar o relato completo, clique aqui

 

Lista de aves observadas

Para baixar a lista de aves observadas, clique aqui.

 

Apresentações

  • Apresentação de Glayson A. Bencke sobre o limpa-folha-miúdo, clique aqui para baixar.
  • Apresentação de Gilberto Müller sobre a saída à RPPN da UNISC. Clique aqui para baixar.

 

Fotos

 

 

Foto: Jair Kray

 

 

 

Foto: Helena Backes

 

Foto: Jair Kray