Esta foi a quarta visita do COA-POA ao Parque Estadual do Turvo desde 2011. O parque é a maior reserva florestal protegida do Rio Grande do Sul e, graças à conexão com as extensas florestas do sul da província de Misiones, na Argentina, mantém sua avifauna ainda praticamente íntegra. Como de costume, a excursão rendeu ótimos registros. Vimos ao todo 185 espécies, incluindo nove que não havíamos registrado antes em saídas ao Turvo: mocho-diabo, andorinhão-velho-da-cascata, joão-bobo, choca-de-boné-vermelho, curutié, papinho-amarelo, filipe, vira-bosta-picumã e gaturamo-rei. O total de espécies registradas no interior do parque foi de 147. Os destaques foram o registro do papinho-amarelo, pássaro que permaneceu por muito tempo “desaparecido” no Turvo até seu reencontro em 2013, a arena de pavós na trilha do Lajeado do Fábio, o mocho-diabo na corujada do dia 19 e o pica-pau-de-cara-amarela na estrada do Salto.

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Clique aqui para baixar o relatório com informações sobre mamíferos silvestres observados.

Fotos e vídeos

Saída ao mar para observação de aves pelágicas - Torres

Atividades: o COA-POA foi novamente convidado a participar desta interessante saída, que é organizada por professores da UFRGS e que tem como objetivo a observação de mamíferos e aves marinhas. A sistemática adotada nos anos anteriores foi uma navegação inicial até a Ilha dos Lobos, onde é feita a observação de lobos e leões marinhos por aproximadamente 45 minutos. Depois a embarcação segue para um ponto que dista aproximadamente 5 milhas náuticas da costa, onde são lançadas iscas para atração de aves pelágicas. O tempo desta observação depende da abundância de aves atraídas. Em saídas anteriores teve a duração de aproximadamente uma hora. Em condições normais o retorno ao píer se dá por volta das 15 horas.

Nos dias 20 e 21 de agosto de 2016, o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre realizou uma excursão para os municípios de Dom Pedro de Alcântara e Torres, no extremo norte do litoral do Rio Grande do Sul. Nesta saída estava prevista a primeira visita do Coa-Poa ao Parque Estadual de Itapeva (PEVA), localizado em Torres, porém as péssimas condições climáticas (chuva e vento forte) não nos possibilitaram fazer observações no parque. O PEVA corresponde a uma unidade de conservação (UC) criada em 2002 e possui cerca de 1.000 hectares, preservando remanescentes da Mata Atlântica em um mosaico de ambientes (dunas, mata de restinga, mata paludosa, banhados, etc). Em Torres também há o ambiente marinho, onde é possível observar aves costeiras e pelágicas a partir da beira da praia. Já em Dom Pedro de Alcântara é possível encontrar áreas de Floresta Ombrófila Densa (Mata Atlântica strictu sensu) e áreas abertas, como campos e banhados.

Esta saída estava prevista para visitar o Parque Estadual de Itapuã. Como o parque está fechado para visitação, alteramos a saída para Barra do Ribeiro.

Data: 24 de julho de 2016 - Domingo.

Horário: Início: 07h00min – Término: por volta das 15h. Retorno livre para cada participante.

Local: Em Guaíba, seguiremos pela estrada em área rural até a Barra do Ribeiro. O retorno se dará pela BR-116 desde a Barra do Ribeiro. O ponto de encontro será no posto da Polícia Rodoviária Federal, na BR-116 logo após o pedágio de Eldorado do Sul às 7:00h.

Vagas: 16 vagas para associados.

Atividades:
As observações serão realizadas principalmente de dentro dos veículos, não sendo previstas grandes caminhadas. As atividades serão voltadas mais aos principiantes, mas todos os associados serão bem-vindos.

Atenção: SAÍDA CANCELADA devido ao baixo nível da Barra do Rio Mampituba.

Saída ao mar para observação de aves pelágicas - Torres

Atividades: O COA-POA foi novamente convidado a participar desta interessante saída, que é organizada por professores da UFRGS e que tem como objetivo a observação de mamíferos e aves marinhas. A sistemática adotada nos anos anteriores foi uma navegação inicial até a Ilha dos Lobos, onde é feita a observação de lobos e leões marinhos por aproximadamente 45 minutos. Depois a embarcação segue para um ponto que dista aproximadamente 5 milhas náuticas da costa, onde são lançadas iscas para atração de aves pelágicas. O tempo desta observação depende da abundância de aves atraídas. Em saídas anteriores teve a duração de aproximadamente uma hora. Em condições normais o retorno ao píer se dá por volta das 15 horas.

De 17 e 19 de junho de 2016, o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre realizou sua primeira visita ao Parque Estadual da Quarta Colônia (PEQC), no município de Agudo, Rio Grande do Sul. A saída contou também com a participação de alguns integrantes do Clube de Observadores de Aves de Santa Maria.

O PEQC corresponde a uma unidade de conservação (UC) criada em 2005 e está localizada nos municípios de Agudo e Ibarama, Região Central do RS. Tem área de 1.847 hectares, preservando trechos de floresta estacional decidual, incluída no bioma Mata Atlântica. Sua implantação está vinculada ao cumprimento de uma medida compensatória devido à instalação da Usina Hidrelétrica de Dona Francisca, no médio curso do rio Jacuí.

Registramos ao todo 98 espécies de aves durante a presente excursão. Algumas delas representam registros novos para a área do PEQC, a exemplo do caburé (Glaucidium brasilianum), do andorinhão-de-sobre-cinzento (Chaetura cinereiventris) e do piolhinho-verdoso (Phyllomyias virescens). A seguir são listadas as espécies registradas, juntamente com breves comentários sobre as observações mais relevantes. A sequência sistemática e os nomes científicos seguem a mais recente lista do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (Piacentini et al. 2015). Os nomes populares estão de acordo com Bencke et al. (2010).

O Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre realizou sua terceira visita ao Parque Estadual do Espinilho, no município de Barra do Quaraí, Rio Grande do Sul, entre os dias 26 a 29 de maio de 2016.

O Parque Estadual do Espinilho é uma Unidade de Conservação, com área de 1.617 ha, criada em 1975, mas que ainda não foi totalmente regularizada e algumas partes são utilizadas para criação de gado por antigos proprietários de terras da região.

No entanto, é um lugar que possui os últimos remanescentes de Quebracho e Algarroba que formam uma espécie de savana, única conhecida no Brasil. Além dessa vegetação exuberante e rara o parque também abriga espécies de aves que só ocorrem nesse cantinho do Brasil, algumas delas raras e a beira da extinção como é caso do Cardeal-amarelo, Rabudinho e Corredor-crestudo.

No dia 14 de maio de 2016 o COA-POA realizou duas saídas a campo para participar do dia mundial de observação de aves, o Global Big Day. Um grupo com seis participantes foi para o Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos (RVSBP), em Viamão, enquanto outro grupo, com quatro participantes, foi para Morro Reuter (MR) e Santa Maria do Herval (SMH). As condições climáticas estavam muito boas, com predomínio de sol, pouco vento e temperatura amena, o que favoreceu as observações. No total os dois grupos de observadores registraram 142 espécies ao longo do dia (102 no RVSBP e 68 em MR/SMH). As listas de espécies foram enviadas para o eBird, no intuito de colaborar para o banco de dados do Global Big Day (www.ebird.org/ebird/globalbigday)

Clique aqui para baixar o relatório completo.

No dia 23 de abril de 2016 o COA-POA realizou a primeira saída com o objetivo específico de registrar aves costeiras marcadas com bandeirolas e anilhas. O pequeno grupo de participantes (sete observadores em três carros) iniciou o percurso às 09h30min, em Magistério (Balneário Pinhal), e se deslocou aproximadamente 15 km pela beira da praia, na direção sul.

A principal espécie em questão foi o maçarico-de-papo-vermelho (subespécie Calidris canutus rufa), uma ave migratória que se reproduz no Hemisfério Norte (principalmente no Norte do Canadá) e possui seus principais sítios de invernagem no sul da América do Sul. Entre o final de abril e o início de maio, muitos indivíduos estão retornando para os locais de reprodução, aumentando as chances de serem observados no litoral do Rio Grande do Sul durante essa migração. Muitos desses indivíduos são marcados com “bandeirolas” e/ou anilhas coloridas, o que permite a identificação e individualização das aves.

Entre os dias 12 e 13 de março de 2016 o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre realizou sua 8ª visita ao Parque Nacional Lagoa do Peixe – PNLP.

Foram dois dias de bastante sol, com temperaturas, durante o dia, em torno de 26ºC. Havia bastante vento e muitas áreas do Parque estavam alagadas em razão do excesso de chuvas recentes. Isto dificultou o acesso às trilhas, como
também a observação das aves, embora tenha sido uma saída com muitos registros.

Relatório

Para baixar o relatório, clique aqui.

Fotos

No dia 20 de fevereiro de 2016 o COA-POA realizou a primeira saída “relâmpago” para observação de aves. Esta nova modalidade consiste em saídas não previstas no calendário anual de atividades do clube e que são organizadas com poucos dias de antecedência (geralmente uma semana), dependendo das condições do tempo e disponibilidade dos participantes. Ao longo de uma manhã foram registradas 50 espécies de aves, percorrendo-se grande parte da área do Jardim Botânico.

De 06 a 09 de fevereiro de 2016, realizamos a sexta edição da já tradicional saída de carnaval do Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (COA-POA) à Floresta Nacional de São Francisco de Paula (FLONA). A FLONA é uma unidade de conservação (UC) de uso sustentável administrada pelo ICMBIO – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, localizada no município de mesmo nome, na região nordeste do Rio Grande do Sul.

A superfície da FLONA é de 1.606 ha e as altitudes giram em torno dos 900 metros. A área protege importantes remanescentes de floresta ombrófila mista (mata com araucária), entremeados com antigos plantios de araucária, pinheiros exóticos e eucalipto. Está situada na borda oriental do Planalto das Araucárias, no topo da chamada Serra Geral. Como resultado dessa situação topográfica, as florestas são muito úmidas, por causa da frequente condensação da umidade trazida pelos ventos ascendentes vindos do litoral.

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Lista de saídas