Saída ao Refúgio de Vida Silvestre Banhados dos Pachecos (RVSBP) - Viamão RS

ATENÇÃO: VAGAS ESGOTADAS. NOVAS INSCRIÇÕES ENTRAM NA LISTA DE ESPERA.

Data: 16 de julho de 2017 (domingo)

Horário: saída de Porto Alegre às 6:30 com previsão de chegada ao local às 7:30 (na sede do RVSBP – GeoTag -30.092014; -50.842752). A atividade de observação será desenvolvida durante todo o dia. Retorno no final do dia.

Número máximo de participantes: 20 pessoas (esta saída é restrita aos associados ao COA-POA).

Menores de idade: será admitida a participação de menores a partir de 6 anos completos, desde que acompanhados de pelo menos um dos pais ou responsável. Menores a partir de 14 anos completos poderão participar desacompanhados, desde que sejam associados do COA-POA. Os menores que participarem não contarão para o número total de participantes.

Atividades: observação de aves em abientes aquáticos, banhados e campos.

Deslocamento: em carros particulares - despesas serão rateadas entre os ocupantes dos veículos

Almoço: cada um deverá levar o seu.

Valores: R$ 10,00 (tanto para sócios contribuintes como para sócios não-contribuintes)

Inscrição: como teremos que enviar a lista dos excursionistas para o Departamento de Unidades de conservação da SEMA, as inscrições serão encerradas às 24 horas do dia 12 de julho.

Após a inscrição, acesse o Fórum do COA-POA neste link para confirmar sua inscrição. Ali você deverá informar seu nome completo e RG. Também poderá oferecer, solicitar e combinar caronas e esclarecer dúvidas.

Critério de preenchimento de vagas:

As vagas serão completadas até o limite acima indicado, de acordo com a ordem cronológica dos dos pagamentos a serem realizados pelo sistema PagSeguro (ícone abaixo - aceita boleto ou cartão de crédito). Depósitos realizados após o preenchimento do limite de vagas serão devolvidos integralmente.

 

Em caso de desistência o valor depositado somente será devolvido se houver lista de espera para substituição da vaga da pessoa desistente.

Recomendação: levar guia de identificação, lista de campo, binóculo, lanches e almoço, água, chapéu ou boné, protetor solar e calçado para barro e terrenos encharcados.

Entre os dias 15 e 18 de junho de 2017, o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (COA-POA) realizou sua quarta visita ao Parque Estadual do Espinilho (PEE), no município de Barra do Quaraí, na fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. O PEE é uma Unidade de Conservação criada em 1975, com área de 1.617 ha. Algumas das áreas do parque, que ainda não foram regularizadas, são utilizadas para criação de gado pelos proprietários das terras. O parque possui uma formação vegetal única no Brasil, um tipo de savana, onde são encontrados remanescentes de algarrobo (Prosopis nigra), inhanduvá (Prosopis affinis), espinilho (Vachellia caven) e quebracho-branco (Aspidosperma quebrachoblanco). Além dessa vegetação exuberante e rara, o parque também abriga espécies de aves com distribuição muito restrita no Brasil, algumas das quais ocorrem em pouquíssimos locais além do parque, como o cardeal-amarelo (Gubernatrix cristata), o rabudinho (Leptasthenura platensis) e o corredor-crestudo (Coryphistera alaudina).

Esta excursão do COA-POA contou com a participação de 11 associados, um bom número se considerarmos a distância do PEE em relação a Porto Alegre, por exemplo. São 700 km de estrada para se chegar ao parque partindo da capital gaúcha, uma longa viagem, que leva cerca de 10 horas. No entanto, o esforço foi recompensado com a observação de muitas (e raras) espécies. Ao todo registramos 112 espécies de aves durante a presente excursão, considerando a área do parque e seu entorno. Dentre os registros mais expressivos podemos destacar o pica-pau-anão-barrado (Picumnus cirratus), espécie que foi registrada pela primeira vez no Rio Grande do Sul pelo COAPOA, em 2014, também no PEE (Santos et al. 2015); a marreca-asa-branca (Dendrocygna autumnalis) e o pato-de-crista (Sarkidiornis sylvicola), duas espécies de anatídeos (marrecas e afins) com poucos registros no Estado e que foram registradas pela primeira vez em saídas do COA-POA. Igualmente importante é salientar o registro dos “espinilheiros” típicos: cardeal-amarelo (G. cristata), rabudinho (L. platensis), corredor-crestudo (C. alaudina), picapauzinho-chorão (Veniliornis mixtus), ui-pí (Synallaxis albescens), entre outros. Também não podemos deixar de mencionar o banhado às margens da estrada Pai Passo, onde registramos nove espécies de anatídeos, três espécies de mergulhões e duas batuíras em um único lugar.

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Fotos

Saída ao mar para observação de aves pelágicas - Torres

Atividades: o COA-POA foi novamente convidado a participar desta interessante saída, que é organizada por professores da UFRGS e que tem como objetivo a observação de mamíferos e aves marinhas. A sistemática adotada nos anos anteriores foi uma navegação inicial até a Ilha dos Lobos, onde é feita a observação de lobos e leões marinhos por aproximadamente 45 minutos. Depois a embarcação segue para um ponto que dista aproximadamente 5 milhas náuticas da costa, onde são lançadas iscas para atração de aves pelágicas. O tempo desta observação depende da abundância de aves atraídas. Em saídas anteriores teve a duração de aproximadamente uma hora. Em condições normais o retorno ao píer se dá por volta das 15 horas.

Data: 22 de julho de 2017 (sábado)

Horário e local: os participantes deverão apresentar-se no píer de embarcações turísticas no Rio Mampituba em Torres às 10h30min. Previsão de embarque às 11h00. O tempo de navegação previsto é de 4 horas.

Observação Importante: Esta saída poderá ser cancelada a critério dos organizadores e em razão de condições de clima, inclusive no dia e hora do embarque.

Número de vagas: foram oferecidas 10 vagas para o COA-POA.

Deslocamento: o deslocamento até Torres será de responsabilidade de cada participante. Caronas poderão ser combinadas pelo fórum. Existe também a possibilidade de utilizar-se ônibus de linha.

Valores: o valor da locação da embarcação é rateado pelo número de participantes. O pagamento será feito no ato do embarque, em espécie, e o valor será aproximadamente de R$80,00 reais, se possível levar o valor trocado.

Inscrição: através do tópico específico para esta saída criado no fórum do COA-POA neste link, da seguinte maneira:

  • As inscrições serão encerradas às 12 horas (meio-dia) do dia 21 de junlo, mesmo que ainda restem vagas disponíveis. Cada inscrito deverá informar o nome completo e número do RG, para ser repassado ao barqueiro e autoridades competentes. Além dos associados do COA-POA serão aceitas inscrições de associados de outros COAs do RS para participar desta saída.

Informações adicionais:

  • Menores de idade poderão participar somente com acompanhamento de pelo menos um dos pais ou de um responsável legal. A idade mínima para participar desta saída é 14 anos completos.
  • Não existe seguro de vida contratado pela UFRGS ou pelo COA-POA para os participantes. A participação é por conta e risco de cada um.
  • O COA-POA é uma entidade convidada nesta atividade e oferece a oportunidade de participação nesta saída a seus associados, sem cobrar nenhuma taxa ou comissão neste passeio. Assim nem a entidade COA-POA, nem seus dirigentes assumem qualquer responsabilidade por riscos advindos desta atividade. Os participantes que se inscreverem, declaram através do ato de inscrição, estarem cientes de que a navegação em mar aberto oferece riscos inerentes à atividade e que assumem estes riscos sem nenhuma responsabilidade adicional para o COA-POA ou para qualquer um de seus dirigentes.
  • A embarcação é contratada pela UFRGS e deverá atender todos os requisitos legais para transporte turístico. Os participantes têm o direito de solicitar a comprovação do atendimento destas exigências no ato do embarque. A decisão de embarque é individual de cada participante. Em caso de pessoas menores de idade, esta decisão é de responsabilidade do maior acompanhante.
  • Recomendamos que pessoas sensíveis a enjoos providenciem medicação adequada, pois a experiência dos anos anteriores mostrou que o porcentual de pessoas que passaram mal neste passeio chegou até a 50%. Isto depende muito das condições do mar. As pessoas que passam mal desfrutam muito menos o passeio. Por isto recomendamos que as providências sejam tomadas antes do embarque.
  • Este passeio está sujeito a condições favoráveis de navegação. A decisão de sair ou não ao mar é responsabilidade do comandante da embarcação. Muitas vezes a condição de navegabilidade não tem nada a ver com a condição do tempo, ou seja, o dia pode estar bonito, com sol, mas o mar pode estar ruim para navegar. Existe portanto a possibilidade de chegarmos ao píer e o passeio não sair. As condições atmosféricas e de mar serão acompanhadas previamente pelos prognósticos e na medida do possível o eventual cancelamento da navegação será antecipado para não criar transtornos aos participantes.
  • Recomendamos que mesmo com previsão de tempo bom, todos levem agasalhos que protejam da chuva ou de respingos e principalmente do vento. A sensação de frio em mar aberto e com possíveis respingos da embarcação é bem mais intensa do que em terra. Por isto recomenda-se que os participantes estejam prevenidos. Também recomendamos o uso de chapéu e protetor solar.