Saída para PET – Parque Estadual Tainhas

Data: 25 e 26 de novembro de 2017.

Horário de saída de Porto Alegre sugerido: 07 horas do dia 25/11.

O ponto de encontro será às 9h30min no restaurante Rota 453 no trevo da Rota do Sol com a RS110. Geotag (-29.211932, -50.470444). A viagem total de Porto Alegre até o Parque Estadual Tainhas demora cerca de três horas (204km). O alojamento fica na Geotag (-29.092945, -50.364473). Saindo de Porto Alegre pela RS020 até Tainhas, entra à esquerda na BR453 até Várzea do Cedro (ponto de encontro), depois entra à direita na RS110. No fórum terá um arquivo do Google Earth com a rota e pontos de referência.

Vagas: 15 pessoas. O Eduardo está trabalhando lá, não conta.

Transporte: carros particulares (rateio dos custos entre os ocupantes dos veículos).

Alojamento: alojamento coletivo na sede do parque (leia as observações no final deste edital).

Alimentação:

Café da manhã e almoço por conta dos excursionistas. Cada um deve levar os seus suprimentos, pois não há vendas próximas ao local. Jantar coletivo providenciado pelo COA-POA no dia 25.

Saúde:

Vacina: Recomenda-se que os excursionistas tenham sido vacinados contra a febre-amarela (verifique se a sua cobertura está dentro do prazo de validade).

Atividades:

Serão definidas no local pela diretoria técnico-científica. É possível que haja algum passeio em áreas fora do parque.

Valores:

R$ 40,00 para associados que tenham pago a anuidade do COA-POA de 2017.

R$ 50,00 para associados que não pagaram a anuidade do COA-POA de 2017.

O valor inclui despesas gerias do CAO-POA, o alojamento (1 noite) e um jantar no dia 25.

Critério de preenchimento de vagas:

As vagas serão preenchidas até o limite acima indicado conforme a ordem cronológica dos pagamentos pelo PagSeguro, de acordo com o seguinte critério:

  • Até o dia 21/11/2017 as vagas estarão disponíveis apenas para associados que tenham recolhido a anuidade de 2017.
  • A partir do dia 22/11/17 as vagas restantes estarão disponíveis também para os associados que não tenham recolhido a anuidade de 2017.
  • Somente o pagamento no PagSeguro garante a vaga ao participante.
  • Pagamentos que eventualmente forem realizados após o preenchimento do limite de vagas serão devolvidos integralmente.
  • Em caso de desistência, o valor depositado somente será devolvido se houver lista de espera para preenchimento da vaga da pessoa desistente.
  • As inscrições encerram-se impreterivelmente no dia 23/11/2017 as 17:00hs
  • Menores desacompanhados (acima de 16 anos) deverão providenciar autorização assinada por um dos pais ou responsável legal.

Inscrição e detalhes da saída:

Faça o pagamento da inscrição usando o botão PagSeguro correspodente abaixo. Após o pagamento, acesse o Fórum do COA-POA neste link e confirme sua inscrição. Ali você também poderá oferecer, solicitar e combinar caronas e esclarecer dúvidas.

Pagamento para sócios contribuintes 2017
Pagamento para sócios não contribuintes 2017 (a partir de 22/11/17)

 

Observações finais:

  • Leve seu guia de identificação, lista de campo e binóculo.
  • Proteja-se contra os insetos que podem ser abundantes nesta época do ano.
  • É sugerida a utilização de calçados adequados para longas caminhadas, em trilhas eventualmente enlameadas.
  • Use perneiras ou botas com cano alto para reduzir o risco de picadas de serpentes. A falta de proteção adequada é um risco da responsabilidade de cada participante.
  • Proteja-se da ação nociva dos raios solares com uso de protetor UV.
  • Providencie meios de transportar água e comida necessária para as caminhadas.
  • Se você vai fotografar, não esqueça de levar uma ou mais baterias de reserva (carregadas), bem como cartões de memória suficientes para muitas fotos.
  • Poderá haver atividades noturnas opcionais de atração de aves noturnas. Leve a sua lanterna.
  • O alojamento conta com camas, mas você deverá levar a sua roupa de cama, toalha e travesseiro e cobertores.
  • A cozinha do alojamento conta com utensílios (louça talheres e panelas) e equipamentos (fogão e geladeira) completos, sendo necessário somente levar os alimentos para o café da manhã e almoço. O jantar, como mencionado acima, será coletivo e organizado pelo COA-POA.

De 12 a 15 de outubro de 2017, o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (COA-POA) realizou excursão à Estação Ecológica do Taim. A ESEC do Taim possui atualmente uma área de 32.806,31 hectares dentro dos Municípios de Santa Vitória do Palmar e de Rio Grande, na Planície Costeira do RS, formada por terras baixas e planas, com banhados e lagoas. As dunas litorâneas e as falésias adjacentes 'a Lagoa Mirim representam o relevo mais acidentado.

Relatório

  • Clique aqui para baixar o relatório completo
  • Clique aqui para baixar o anexo fotográfico

Pela quinta vez desde 2011, o COA-POA visitou o Parque Estadual do Turvo, a maior reserva florestal do Rio Grande do Sul. As fotos recentemente divulgadas de onças-pintadas flagradas no parque serviram como um atrativo a mais aos participantes, além da expectativa de conhecer as aves típicas da região.

Mas... Nada de onças desta vez. Por outro lado, registramos 174 espécies, das quais 135 dentro do parque. Temperaturas muito altas para a época do ano, assim como a antecipação da saída para o início de setembro, mais cedo do que em alguns anos anteriores, são fatores que podem explicar por que não vimos ainda mais espécies em 2017.

Os registros incluíram dois lifers para o COA-POA: o gavião-de-cabeça-cinza e o uirapuru-laranja, este último apenas escutado. Outros destaques foram uma jacutinga bem vista na Lagoa das Marrecas e um bando de taperuçus-velhos sobre a Estrada do Salto.

Relatório

Clique aqui para baixar o relatório completo.

Fotos

O COA-POA fez sua quarta visita à Estação Experimental Agronômica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EEA-UFRGS), para observação de aves, no dia 19 de agosto de 2017. A EEA-UFRGS localiza-se no Km 160 da rodovia BR-290, em Eldorado do Sul. Do total de 1.560 hectares, há uma área de 150 hectares destinada à preservação de ambientes naturais encontrados na Depressão Central do Rio Grande do Sul, que constitui uma das poucas áreas ainda não exploradas intensamente pelo homem nesta importante região do estado, onde os biomas Mata Atlântica e Pampa se encontram. No restante da área, aproximadamente 830 ha de campo nativo são utilizados para pesquisa com animais e pastejo (gado de corte e ovinos), 40 ha para pesquisa em horticultura (fruticultura), 56 ha de pesquisa com sistemas silvipastoris e reflorestamento e 180 ha para pesquisa de culturas anuais (culturas para produção de grãos e de pastagens cultivadas). O local conta ainda com diversos açudes (56 ha), além de áreas de preservação permanente e de reserva legal, como matinhas de galeria e banhados.

Relatório

Clique aqui para baixar o relatório completo

Fotos

No dia 16 de julho de 2017, o COA–POA realizou sua sexta saída oficial de observação de aves ao Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos, em Viamão, RS. Nessa região, localizam-se as nascentes do rio Gravataí, um dos afluentes do rio Guaíba. A área de preservação citada possui 2.500 hectares. Participaram da saída 22 observadores. Em razão desse número de pessoas e para que todos tivessem oportunidade de ter boas observações, o grupo foi dividido em dois, um com 14 e outro com 8 integrantes. Pela manhã, um grupo composto por 8 integrantes dirigiu-se para a Trilha do Cervo e o outro rumou para a Trilha da Barragem. No turno da tarde, as trilhas foram invertidas entre os grupos. As condições climáticas pela manhã foram boas, embora o tempo estivesse encoberto. A temperatura pela manhã estava em torno de 20°C, e no início da tarde houve pancadas de chuva, diminuindo a temperatura consideravelmente. Aumentou a intensidade do vento, razão pela qual o grupo que faria a trilha do Cervo desistiu de percorrê-la.

A Trilha da Barragem possui várias áreas alagadas, sendo uma zona de planície, com banhados de vegetação baixa, apresentando poucas árvores, todas de pequeno porte. A Trilha do Cervo está situada numa zona mais elevada. Há uma área menor de banhados e mais matas baixas (de restinga), o que possibilita, em parte, a presença de uma avifauna diferente daquela presente na Trilha da Barragem. No total foram registradas 99 espécies durante a saída, divididas em 40 famílias, conforme tabela abaixo.

 

Relatório:

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Álbuns de fotos:

 

Entre os dias 15 e 18 de junho de 2017, o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (COA-POA) realizou sua quarta visita ao Parque Estadual do Espinilho (PEE), no município de Barra do Quaraí, na fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. O PEE é uma Unidade de Conservação criada em 1975, com área de 1.617 ha. Algumas das áreas do parque, que ainda não foram regularizadas, são utilizadas para criação de gado pelos proprietários das terras. O parque possui uma formação vegetal única no Brasil, um tipo de savana, onde são encontrados remanescentes de algarrobo (Prosopis nigra), inhanduvá (Prosopis affinis), espinilho (Vachellia caven) e quebracho-branco (Aspidosperma quebrachoblanco). Além dessa vegetação exuberante e rara, o parque também abriga espécies de aves com distribuição muito restrita no Brasil, algumas das quais ocorrem em pouquíssimos locais além do parque, como o cardeal-amarelo (Gubernatrix cristata), o rabudinho (Leptasthenura platensis) e o corredor-crestudo (Coryphistera alaudina).

Esta excursão do COA-POA contou com a participação de 11 associados, um bom número se considerarmos a distância do PEE em relação a Porto Alegre, por exemplo. São 700 km de estrada para se chegar ao parque partindo da capital gaúcha, uma longa viagem, que leva cerca de 10 horas. No entanto, o esforço foi recompensado com a observação de muitas (e raras) espécies. Ao todo registramos 112 espécies de aves durante a presente excursão, considerando a área do parque e seu entorno. Dentre os registros mais expressivos podemos destacar o pica-pau-anão-barrado (Picumnus cirratus), espécie que foi registrada pela primeira vez no Rio Grande do Sul pelo COAPOA, em 2014, também no PEE (Santos et al. 2015); a marreca-asa-branca (Dendrocygna autumnalis) e o pato-de-crista (Sarkidiornis sylvicola), duas espécies de anatídeos (marrecas e afins) com poucos registros no Estado e que foram registradas pela primeira vez em saídas do COA-POA. Igualmente importante é salientar o registro dos “espinilheiros” típicos: cardeal-amarelo (G. cristata), rabudinho (L. platensis), corredor-crestudo (C. alaudina), picapauzinho-chorão (Veniliornis mixtus), ui-pí (Synallaxis albescens), entre outros. Também não podemos deixar de mencionar o banhado às margens da estrada Pai Passo, onde registramos nove espécies de anatídeos, três espécies de mergulhões e duas batuíras em um único lugar.

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Fotos

Saída ao mar para observação de aves pelágicas - Torres

Atividades: o COA-POA foi novamente convidado a participar desta interessante saída, que é organizada por professores da UFRGS e que tem como objetivo a observação de mamíferos e aves marinhas. A sistemática adotada nos anos anteriores foi uma navegação inicial até a Ilha dos Lobos, onde é feita a observação de lobos e leões marinhos por aproximadamente 45 minutos. Depois a embarcação segue para um ponto que dista aproximadamente 5 milhas náuticas da costa, onde são lançadas iscas para atração de aves pelágicas. O tempo desta observação depende da abundância de aves atraídas. Em saídas anteriores teve a duração de aproximadamente uma hora. Em condições normais o retorno ao píer se dá por volta das 15 horas.

Data: 22 de julho de 2017 (sábado)

Horário e local: os participantes deverão apresentar-se no píer de embarcações turísticas no Rio Mampituba em Torres às 10h30min. Previsão de embarque às 11h00. O tempo de navegação previsto é de 4 horas.

Observação Importante: Esta saída poderá ser cancelada a critério dos organizadores e em razão de condições de clima, inclusive no dia e hora do embarque.

Número de vagas: foram oferecidas 10 vagas para o COA-POA.

Deslocamento: o deslocamento até Torres será de responsabilidade de cada participante. Caronas poderão ser combinadas pelo fórum. Existe também a possibilidade de utilizar-se ônibus de linha.

Valores: o valor da locação da embarcação é rateado pelo número de participantes. O pagamento será feito no ato do embarque, em espécie, e o valor será aproximadamente de R$80,00 reais, se possível levar o valor trocado.

Inscrição: através do tópico específico para esta saída criado no fórum do COA-POA neste link, da seguinte maneira:

  • As inscrições serão encerradas às 12 horas (meio-dia) do dia 21 de junlo, mesmo que ainda restem vagas disponíveis. Cada inscrito deverá informar o nome completo e número do RG, para ser repassado ao barqueiro e autoridades competentes. Além dos associados do COA-POA serão aceitas inscrições de associados de outros COAs do RS para participar desta saída.

Informações adicionais:

  • Menores de idade poderão participar somente com acompanhamento de pelo menos um dos pais ou de um responsável legal. A idade mínima para participar desta saída é 14 anos completos.
  • Não existe seguro de vida contratado pela UFRGS ou pelo COA-POA para os participantes. A participação é por conta e risco de cada um.
  • O COA-POA é uma entidade convidada nesta atividade e oferece a oportunidade de participação nesta saída a seus associados, sem cobrar nenhuma taxa ou comissão neste passeio. Assim nem a entidade COA-POA, nem seus dirigentes assumem qualquer responsabilidade por riscos advindos desta atividade. Os participantes que se inscreverem, declaram através do ato de inscrição, estarem cientes de que a navegação em mar aberto oferece riscos inerentes à atividade e que assumem estes riscos sem nenhuma responsabilidade adicional para o COA-POA ou para qualquer um de seus dirigentes.
  • A embarcação é contratada pela UFRGS e deverá atender todos os requisitos legais para transporte turístico. Os participantes têm o direito de solicitar a comprovação do atendimento destas exigências no ato do embarque. A decisão de embarque é individual de cada participante. Em caso de pessoas menores de idade, esta decisão é de responsabilidade do maior acompanhante.
  • Recomendamos que pessoas sensíveis a enjoos providenciem medicação adequada, pois a experiência dos anos anteriores mostrou que o porcentual de pessoas que passaram mal neste passeio chegou até a 50%. Isto depende muito das condições do mar. As pessoas que passam mal desfrutam muito menos o passeio. Por isto recomendamos que as providências sejam tomadas antes do embarque.
  • Este passeio está sujeito a condições favoráveis de navegação. A decisão de sair ou não ao mar é responsabilidade do comandante da embarcação. Muitas vezes a condição de navegabilidade não tem nada a ver com a condição do tempo, ou seja, o dia pode estar bonito, com sol, mas o mar pode estar ruim para navegar. Existe portanto a possibilidade de chegarmos ao píer e o passeio não sair. As condições atmosféricas e de mar serão acompanhadas previamente pelos prognósticos e na medida do possível o eventual cancelamento da navegação será antecipado para não criar transtornos aos participantes.
  • Recomendamos que mesmo com previsão de tempo bom, todos levem agasalhos que protejam da chuva ou de respingos e principalmente do vento. A sensação de frio em mar aberto e com possíveis respingos da embarcação é bem mais intensa do que em terra. Por isto recomenda-se que os participantes estejam prevenidos. Também recomendamos o uso de chapéu e protetor solar.

No dia 07 de maio de 2017 o COA-POA realizou, pelo segundo ano consecutivo, uma saída exclusiva para observação de aves com “bandeirolas”. Esta saída tem o objetivo específico de registrar aves costeiras migratórias marcadas com bandeirolas e anilhas, contribuindo para o conhecimento e conservação dessas espécies. O pequeno grupo, composto por quatro participantes, iniciou o percurso às 07h45min, em Magistério (Balneário Pinhal), e se deslocou 112 km pela beira da praia, na direção sul, até a entrada do Balneário Mostardense (Mostardas). Após uma breve parada para almoçar, o grupo seguiu pela estrada de terra do Balneário Mostardense, fazendo algumas paradas no caminho para observação de outras aves. Uma semana depois, no dia 13 de maio, o Coa-Poa realizou outra saída ao litoral norte, onde o registro dessas aves marcadas também foi um dos objetivos, mas os detalhes dessa excursão estão no relatório das saídas do Global Big Day.

No dia 13 de maio de 2017, o COA–POA realizou duas saídas a campo para participar do dia mundial de observação de aves, o Global Big Day. Um grupo, com cinco participantes, foi para o Litoral Norte, visitando inicialmente o Complexo Eólico de Osório e depois percorrendo um trecho de praia ao sul de Balneário Pinhal. O outro grupo, com apenas dois participantes, visitou o Parque Estadual de Itapuã, em Viamão. As condições climáticas estavam pouco animadoras para a observação de aves, com chuva fraca no início da manhã em Porto Alegre – ponto de partida dos grupos – e previsão de muita chuva no decorrer do dia em todo o estado. Isso sem dúvida contribuiu para o baixo número de participantes nas saídas, especialmente ao P. E. de Itapuã.

Ao todo, os dois grupos registraram 109 espécies ao longo do dia (80 na saída a Osório e praia e 40 em Viamão). As listas de espécies foram postadas no site eBird, para marcar a presença do COA–POA no Global Big Day e contribuir para o banco de dados gerado a partir do evento. Em todo o mundo, quase 20 mil observadores de 150 países registraram 6.596 espécies de aves nesse dia, mais de 60% das aves conhecidas no planeta (www.ebird.org/ebird/globalbigday). Do Rio Grande do Sul foram apenas nove grupos/observadores participantes, que juntos registraram um total de 201 espécies em 43 listas. O COA–POA ficou em terceiro lugar entre os “eBirders” deste ano, em número de espécies registradas.

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Saída para o Parque Estadual de Itapeva (PEVA) - Maio2017

Data: 20 e 21 de maio de 2017

Vagas:15 vagas

Transporte: carros particulares (rateio dos custos entre os ocupantes dos veículos).

Alojamento: Pousada Chalés Itapeva. (www.chalespousada.com.br/home.php)

Endereço: Estrada do Mar, Km 83 Trevo Itapeva, Torres/ RS (Tel. 51-3605.5065 Cel.51 99983.7197)

Chalés para três pessoas e chalés para casais. (Quem quiser chalé com cama de casal avisar antecipadamente)

Alimentação: Janta, no dia 20, oferecida pelo COA-POA

Obs.: Os chalés são equipados com cozinha e há um supermercado bem próximo. Cada participante deve prover o seu lanche durante os dias de observação. Lembre-se de levar bastante água.

Atividades:

Dia 20 - Saída de Porto Alegre por volta de 6:30 horas - chegada na Pousada, onde será o Ponto de encontro – Após saída para o Parque para observação de aves.

Dia 21–Saída da pousada às 6:30 para observação no Parque.

Obs.: Possivelmente haverá observação de aves também no município de Dom Pedro de Alcântara, em locais a serem definidos pela diretoria técnico-científica.

Valores:

R$90,00para associados que tenham pago a anuidade do COA-POA de 2017.

R$120,00 para associados que não pagaram a anuidade do COA-POA de 2017.

O valor inclui o alojamento (1 pernoite) na pousada e janta do dia 20.

Critério de preenchimento de vagas:

As vagas serão completadas até o limite acima indicado de acordo com a ordem cronológica dos pagamentos a serem realizados pelo site com cartão de crédito ou por boleto pelo sistema PagSeguro (ícone abaixo). Pagamentos realizados após o preenchimento do limite de vagas serão devolvidos integralmente ou, a critério do inscrito, revertidos em créditos para uma próxima saída.

Até o dia 16/05/2017 as vagas estarão disponíveis apenas para associados que tenham recolhido a anuidade de 2017.

No dia 17/05/2017 as vagas estarão disponíveis também para associados que não tenham recolhido a anuidade de 2017.

Em caso de desistência o valor depositado somente será devolvido se houver lista de espera para substituição da vaga da pessoa desistente.

A data limite para inscrições é o dia 17/05/2017.

Inscrições:

Após realizar o pagamento abaixo, não esqueça de confirmar sua inscrição no fórum do COA-POA, neste link.

 

Sócio contribuinte 2017, use o botão ao lado para fazer o pagamentode sua inscrição: R$ 90,00
Sóio não contribuinte 2017, a partir de 17/05 a inscrição estará disponível: R$ 120,00  

 

Observações finais:

Leve seu guia de identificação, lista de campo e binóculo.

Lembre que nesta região costuma haver muito vento. Ele aumenta a sensação de frio. Prepare-se com agasalhos adequados tipo corta-vento.

Proteja-se da ação nociva dos raios solares, pois passaremos muitas horas ao ar livre. Certifique-se que estará com água suficiente para hidratação durante as caminhadas.

Por ser uma região muito úmida, prepare-se com calçados adequados para pisar em terrenos alagados.

Se você vai fotografar, não esqueça de levar uma ou mais baterias de reserva (carregadas), bem como cartões de memória suficientes para muitas fotos.

É importante de cada participante leia o código de conduta ética do observador de aves (www.wikiaves.com.br/wikiaves:codigo_de_etica)

O Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre realizou sua 9a visita ao Parque Nacional Lagoa do Peixe, em Tavares-RS, entre os dias 21 e 23 de Abril de 2017. O PNLP fica a 220km de Porto Alegre.

O PNLP possui 36.721,71 hectares e foi criado em 1986 (Diploma Legal de Criação: Decreto nº 93.546 de 06 de novembro de 1986). Além de proteger aves ameaçadas como o trinta-réis-real e a sanã-cinza, o PNLP faz parte de uma rede internacional de proteção as aves migratórias.

Foram percorridas a Trilha do Talha-Mar no primeiro dia, Estrada Balneário Mostardense, a Praia (25km) e a Barra da Lagoa no segundo dia, a Estrada da Caieira/Porto do Barquinho e a Trilha da Figueira no domingo, último dia.

No total foram registradas 121 Espécies, divididas em 43 Famílias conforme tabela no relatório completo abaixo. A sequência sistemática e os nomes científicos seguem a mais recente lista do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos.

Chamou a atenção o fato de termos encontrado já alguns migrantes de inverno, como a calhandra-de-três-rabos e o colegial. Ao mesmo tempo aparece um migrante residente de verão (andorinha-do-campo) e migrantes do Hemisfério Norte (como os maçaricos e outros). Provavelmente a época favoreceu esse "encontro" de espécies oriundas de diferentes locais(observação de E.Chiarani).

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Fotos

Nos dias 18 e 19 de março de 2017, o Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre realizou sua primeira visita ao Parque Nacional de Aparados da Serra (PNAS), com a participação de 18 associados. O PNAS é uma Unidade de Conservação federal de proteção integral que possui 10.250 hectares. Está localizado na divisa dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, abrangendo os municípios de Cambará do Sul-RS e Praia Grande-SC. O parque faz parte do bioma Mata Atlântica e abriga diferentes ecossistemas: Floresta Ombrófila Mista (floresta com araucária), Floresta Ombrófila Densa Montana e Submontana, Floresta Nebular, Campos Secos, Campos Turfosos, Campos Rupestres e Vegetação Rupícola (MMA/IBAMA 2003).

Relatório

Para baixar o relatório completo, clique aqui.

Fotos

Lista de saídas